Visitar

História

O Mosteiro de Santa Clara foi fundado por volta de 1490, por João Gonçalves da Câmara, filho de Zarco e segundo capitão do Funchal. O mosteiro destinava-se a acolher as filhas solteiras da nobreza madeirense que se dedicassem à vida religiosa.

Tornou-se uma das mais importantes instituições do arquipélago, dona de vastos terrenos agrícolas e com uma comunidade que superava as 200 religiosas e suas protegidas.

O mosteiro esteve aberto por quase 350 anos e, em 1834, com a Reforma geral eclesiástica de D. Pedro IV, ficou impedido de aceitar noviças. A última clarissa do mosteiro, Maria Amália do Patrocínio, faleceu em 1890 e seis anos mais tarde o edifício foi cedido às Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria que, salvo um curto período de interrupção, mantêm a sua actividade no mosteiro, que é hoje um espaço escolar.

Visitas

A visita guiada é o acompanhamento informativo, por guias credenciados dos nossos serviços, a um grupo de visitantes e acontecem à terça-feira, às 10:00, e à quinta-feira, às 15:00, possuindo uma duração aproximada de 2 horas.

A visita pode ser realizada em Português, em Inglês, em Francês, em Alemão, em Espanhol e em Polaco, podendo ser agendadas na loja Naturalmente Português (no piso 1 do La Vie), na Gaudeamus – Loja Académica da AAUMa – (Rua dos Ferreiros, Reitoria da UMa), pelo telefone 291 705 060 ou através do e-mail visit@aauma.pt.

Circuito

À entrada do Mosteiro, aprecia-se a porta da Igreja, em estilo hispano-árabe, e a torre com um imponente coruchéu de azulejaria portuguesa. No átrio existe uma Capela da Anunciação, do início do século XVII, e dois painéis de azulejos portugueses com São Francisco de Assis e Santa Clara de Assis.

O coro de baixo possui cadeiras adornadas com anjos para as antigas professas, uma das quais destinada, cujo anjo usa uma coroa, se destinava à superiora da comunidade e um retábulo do Calvário, que junta escultura com pintura. Na parede oriental, encontra-se um janelão gradeado de dá para a igreja e através do qual as religiosas assistiam aos serviços e tomavam a comunhão.

Dos vários oratórios, um dos mais populares é o do Menino Jesus Perdido. Este Menino em madeira, dos finais do século XVII, que estaria ao colo de uma imagem maior (uma Virgem Maria, um São José ou um Santo António de Lisboa), que desapareceu. Actualmente é vestido pelas Irmãs Franciscanas que lhe bordam vestidos e chapéus.

O claustro do mosteiro, com os seus arcos góticos é um bom exemplo da recuperação feita ao edifício durante o século XX. Ao longo do seu espaço é possível verem-se algumas capelas, com pinturas e azulejos de vários séculos e artistas portugueses.

Com a criação do mosteiro, João Gonçalves da Câmara, transformou a capela de Nossa Senhora da Conceição numa igreja. No interior encontramos azulejos portugueses de decoração Santa Clara e vários altares de inspiração barroca, além de túmulos dos primeiros capitães do Funchal. A capela-mor, restruturada nos anos 1930, foi danificada no bombardeamento ao Funchal por um submarino alemão, em 1917.

Ao sairmos do mosteiro, o visitante poderá conhecer um pouco da história do bairro envolvente: a Quinta das Cruzes, o Hotel Reid’s Santa Clara, o Solar dos Condes da Calçada, o Palácio de São Pedro e a histórica Confeitaria Felisberta.

O mosteiro esteve em funcionamento por mais de 400 anos. Em 1833, D. Pedro, no quadro da reforma eclesiástica em curso desde a regência açoriana, determinou que nenhuma casa religiosa aceitasse noviças, além de ter sido imposto que todas as jovens, em noviciado, abandonassem os conventos.

O circuito termina com uma curta visita ao Núcleo Histórico de São Pedro.

Imagens


Contactos

A visita guiada é à terça-feira, às 10:00, e à quinta-feira, às 15:00, possuindo uma duração aproximada de 2 horas.

O ingresso pode ser adquirido na loja Naturalmente Português (no piso 1 do La Vie Shopping Center), na loja Gaudeamus (Rua dos Ferreiros, Reitoria da UMa), pelo telefone 291 705 060 ou através do e-mail visit@aauma.pt.